Sexta-feira, 4 de Setembro de 2015

Pilão - O cabulanço quase frustrado

 

Copiar.png

 

Preparava-me eu para um teste de OAE (Organização e Administração de Empresas), no ido ano de 1988. Esta cadeira era então ministrada pelo Tadão (professor de enorme gabarito, infelizmente já falecido).

Como o meu plano passava pelo recurso na íntegra a auxiliares de memória, tentei, por todos os meios arranjar um lugar o mais atrás possível, tendo mesmo conseguido ir para a última fila. O professor olhou, mirou, observou o pessoal antes do início do teste e procedeu a algumas correcções de lugares dentro da sala. Obviamente que ninguém olhava directamente para ele, evitando a todo o custo com ele cruzar o olhar, não viesse ele a ganhar ideias.

- Tu, aí atrás. Sim, tu! – o professor repetia uma e outra vez, enquanto o visado perguntava com trajeitos de incredulidade:

- Quem, eu?

- Sim, tu mesmo. Anda para aqui! – E pronto, o pessoal cabisbaixo e meio a resmungar, lá mudava de lugar. Sortudo como eu sou, acabei por ver chegada a minha vez e fui para não outro lugar senão a primeira fila. Entrei quase em desespero. Pensei para mim:

- Vou tirar cá uma nega! Assim não vou conseguir fazer nada na merda do teste! – E o teste acabou por ser distribuído e começou o tempo a contar. O Tadão veio encostar-se à minha secretária e enquanto se mantia de pé nesta posição,  bem à minha frente, abarcava com o olhar as restantes secretárias da sala.

Desesperei, passei-me, tive vontade de dar um enxerto de porrada no Tadão, até que acabei por me acalmar e descontrair.

- Perdido por cem, perdido por mil – Pensei e passei à acção.

Saquei as cábulas do bolso das calças (disfarçando como que a me coçar), coloquei-as em cima do tampo da cadeira e no meio das pernas, ganhei confiança e segui em frente. Como tinha a mão esquerda na testa e a tapar os olhos, jamais o Tadão iria aperceber-se para onde eu estava a olhar e que estaria a cabular e em grande. De onde ele se encontrava, mesmo à minha frente, estava num plano demasiado elevado para conseguir ver o que se passava bem à sua frente, na minha secretária.

O teste correu às mil maravilhas. A nota foi bem aceitável e penso que o pobre do Tadão nunca se tenha apercebido da minha alarve cabuladela, bem nas suas barbas. Acabou por ser exactamente aquele, o melhor local da sala para se poder cabular.

Quem consegue dissimular apercebe-se do quão fácil é enganar, de caras e à primeira vista, quem quer que seja.

 

 

publicado por Sweet Sex Teen às 10:39
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Pilão - O cabulanço quase...

. Exército - O riso assento...

. Pilão - A Lei da Oferta e...

. Pilão - A viagem de final...

. Exército - O português é ...

. Pilão - Das aulas - XI - ...

. Pilão - O 25 de Maio, os ...

. Outras Situações - O Ress...

. O livro..... na incubador...

. Academia Militar - Um Ten...

.arquivos

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

SAPO Blogs

.subscrever feeds

Em destaque no SAPO Blogs
pub